Views

Histats

Vitrine

Diversidade e Inclusão: São Reais na Indústria Farmacêutica?

Diversidade e Inclusão: São Reais na Indústria Farmacêutica?






































Por Waseem Noor , Saule Serikova - Livremente traduzido: ✔ Brazil SFE®


As organizações em toda a Indústria Farmacêutica mundial começaram a reconhecer que os esforços para Diversidade e Inclusão vão muito além das campanhas de conformidade e de uma simples imagem anti-discriminatória, antes, fornecem benefícios aos negócios. Claro. Líderes nas empresas estão criando programas para aumentar a diversidade nas fileiras de suas organizações. Assim estabelecem o caminho para seus borders.

Sublinhando estes esforços, a McKinsey & Company publicou "As Questões de Diversidade" em 2014. Ali analisaram a relação entre o nível de diversidade e a maior participação "das mulheres / etnias raciais mistas na composição da liderança das grandes empresas", refletindo um melhor desempenho financeiro nas empresas, segundo EBIT para os anos de 2010 a 2013.


A análise encontrou uma relação estatisticamente significativa entre a diversidade na liderança e o desempenho financeiro. Mais especificamente, as empresas no quartil superior da diversidade de gênero estiveram 15% mais propensas a ter retornos financeiros acima da média, enquanto as empresas no quartil superior para a diversidade racial / étnica estiveram 30% mais propensas a terem retornos acima da média.  

Embora isso prove uma correlação e não a causa, o artigo argumenta que "quanto mais diversas as empresas são, mais capazes estão em atrair e reter os melhores talentos, melhora a relação com seus clientes, a satisfação de seus funcionários, e a tomada de decisão, levando a um ciclo virtuoso de retornos crescentes." 

Tendo em conta tais resultados, seria de se esperar que a Indústria Farmacêutica se diversificasse globalmente. A organização Diversity Incbaseada nos Estados Unidos, realiza uma pesquisa anual sobre diversidade nas empresas a cada ano, classificando as empresas em quatro áreas-chave de gestão da diversidade: banco de talentos, desenvolvimento de talentos equitativo, compromisso CEO / liderança e diversidade de fornecedoresEm 2016, mais de 1.800 organizações participaram da pesquisa, que está agora em seu 17º ano. Seis das empresas listadas são: Novartis Pharmaceuticals Inc., Johnson & Johnson, Abbott Labs, Merck & Co., Eli Lilly, e Abbvie

Um olhar mais atento na Indústria Farmacêutica mostra que, enquanto a diversidade continua a melhorar, como grupo, tais práticas refletem-se também na Fortune 500. Além disso, encontramos diferenças marcantes nos níveis de gênero, nacional e na diversidade étnica, alguns são verdadeiros campeões de diversidade, enquanto outros estão muito atrás. E esta disparidade persiste em todas as regiões.  

Claro, a definição da diversidade difere em todas as geografias. Nos EUA, por exemplo, a diversidade tende a ser definida por gênero e etnia. Na Europa, ao contrário, a discussão gira em torno da diversidade de gênero e nacionalidade. Dentre a força de trabalho em todas as regiões, no entanto, o debate sobre a diversidade não só se refere a critérios demográficos como sexo, nacionalidade, etnia e idade, mas engloba a orientação sexual e as experiências gerais, tipos de personalidade e os estilos de trabalho dos funcionários da empresa.


Envie seus comentários e sugestões e compartilhe este artigo!

brazilsalesforceeffectiveness@gmail.com

✔ Brazil SFE®✔ Brazil SFE®´s Facebook´s Profile  Google+   Author´s Professional Profile  ✔ Brazil SFE®´s Pinterest       ✔ Brazil SFE®´s Tweets

O Sistema de Remuneração Variável e a Indústria Farmacêutica - 3 - Remuneração Variável Ajustada ao Perfil

O Sistema de Remuneração Variável e a Indústria Farmacêutica - 3 - Remuneração Variável Ajustada ao Perfil



Um excelente exemplo de aplicação do Programa de Participação nos Resultados é o que se desenvolve com os colaboradores de Pesquisa e Desenvolvimento, cujo sistema de premiação foi desenvolvido para acomodar os resultados que serão percebidos somente a médio e longo prazos, dessa forma parte do PPR leve em conta tal característica da área.
Nos departamentos de Marketing e Comercial, a remuneração fica atrelada fortemente ao desempenho em vendas e é organizado em forma de rankings, com reconhecimentos financeiros significativos a cada período previamente acordado.
Para o corpo Diretor foram criados mecanismos específicos. A remuneração variável dos executivos reflete o desempenho dos indicadores de resultados de longo prazo, organizados em ciclos de anos, definidos de modo a projetar os recebimentos para o futuro.
É significativo comentar que no caso dos programas de Remuneração Variável para a Força de Vendas, limite-se o usufruto do programa àqueles colaboradores que estiverem ou permanecerem por pelos menos um semestre na empresa. Por quê? Para resguardar a motivação do colaborador e garantir a aplicação da tática desenvolvida, atrelada a estratégia da empresa, que foi direcionada para o respectivo setor de onde se espera uma performance adequada.



Deixe seus comentários, experiências e visão. Pois certamente será muito enriquecedor para todos aqui.


Sobre Remuneração e Premiação leia:


Sobre a Indústria Farmacêutica leia:


brazilsalesforceeffectiveness@gmail.com

✔ Brazil SFE®✔ Brazil SFE®´s Facebook´s Profile  Google+   Author´s Professional Profile  ✔ Brazil SFE®´s Pinterest       ✔ Brazil SFE®´s Tweets

O Sistema de Remuneração Variável e a Indústria Farmacêutica - 1 - Introdução

O Sistema de Remuneração Variável e a Indústria Farmacêutica - 1 - Introdução


A Indústria Farmacêutica se esforça em reconhecer e valorizar a contribuição individual que cada membro de suas Forças de Vendas demonstram, é verdade que os laboratório que implementam tais modelos de Remuneração Variável também acabam promovendo seu próprio bom desempenho.
Registrar e aprovar uma Política de Premiação, que esteja bem escrita, que torne os objetivos claros, garantindo por escrito, o compromisso formal referente a Remuneração Variável, permite compensações ajustadas aos desafios enfrentados em cada diferente categoria funcional. Como? Basicamente por:
  • 1) Levando em conta a região de atuação;
  • 2) Considerando nível de senioridade do colaborador e
  • 3) Obviamente o tamanho do desafio individual no mercado onde estiver inserido.
Repito: Mantendo tudo registrado de forma clara e compreensível.
Este modelo visa beneficiar todos os colaboradores, e ao criá-lo e mantê-lo faz-se necessário envolver os departamentos de Gestão de PessoasMarketingEfetividade / Produtividade e os Gestores da Força de Vendas.

Deixe seus comentários, experiências e visão. Pois certamente será muito enriquecedor para todos aqui.

Sobre Remuneração e Premiação leia:


Sobre a Indústria Farmacêutica leia:


brazilsalesforceeffectiveness@gmail.com

✔ Brazil SFE®✔ Brazil SFE®´s Facebook´s Profile  Google+   Author´s Professional Profile  ✔ Brazil SFE®´s Pinterest       ✔ Brazil SFE®´s Tweets

Pharm Exec's Top 50 Companies 2016 - Top 50 Líderes Globais de Vendas

Pharm Exec's Top 50 Companies 2016 - Top 50 Líderes Globais de Vendas




É importante comentarmos quão estáveis mostram-se as empresas representadas no Top 50 Líderes Globais de Vendas 2016. Apesar de suas alternâncias nas posições, tendem a permanecer dentro da lista que continua a mudar. Isso reflete a importância que o lançamento de produtos e campanhas inovadoras fazem com respeito ao crescimento das fases dos ciclos de vida dos medicamentos existentes, o que acaba transformando tais produtos em importantes vantagens nas vendas em relação aos níveis brutais da concorrência.



2015

Ajuda, por exemplo,  a explicar porque a Pfizer retoma sua posição este ano como líder de vendas da indústria em prescrição, deslocando a Novartis no ranking da 1ª posição.

A Gilead Sciences, que há dois anos saltou do 25º lugar no ano passado para o nono neste ano, com o avanço da cura da Hepatite C, quebrou todos os recordes de vendas.

Da mesma forma, a entrada de um jogador genérico para os altos escalões ainda é uma perspectiva no horizonte. Apesar da certeza de uma carteira maior com a Teva adquirindo o negócio de genéricos da Allergan. Sua mudança para o Top 10 dependerá de contrariar a ameaça que a deflação de preços, atrasos no lançamento, e outros desafios regulatórios trouxerem.

Em última análise, tudo envolve a qualidade e a escala da franquia e do produto, o modo como efetivamente são geridos e executados através de cada elemento do playbook e das operações biofarmacêuticas.

Uma característica especial que acompanha este Top 50 Líderes Globais de Vendas 2016 destaca o que os valores escondidos em ativos humanos de uma empresa podem fazer. O compromisso com a diversidade e a inclusão, que atualmente tem se tornado uma guerra global por talentos, enquanto capital humano, é um diferencial competitivo para todo o board.

A diversidade é o hardware que traz diferentes máquinas em conjunto. A inclusão é o software que leva o sistema para a vida.

Veja como os 50 principais geradores de receita da Indústria Farmacêutica Global empilham-se. Os rankings também incluem os produtos mais vendidos de cada empresa em 2015, bem como seu investimento R&D para o ano.

No Top 10 Merck passa para o quarto lugar, deslocando a Sanofi, agora em 5º. A Gilead, no entanto, continua a subir, passando do 9º. o 6º. lugar, empurrando a Johnson & Johnson, GlaxoSmithKline e AstraZeneca um lugar para trás. Como senhor absoluto, no entanto, são sempre os EUA, que conta com 19 empresas no ranking, seguido pelo Japão, com 8 empresas farmacêuticas entre os Top 50.

2016




Top 50 Companies 2016



Top 50 Companies 2015


 




brazilsalesforceeffectiveness@gmail.com

✔ Brazil SFE®✔ Brazil SFE®´s Facebook´s Profile  Google+   Author´s Professional Profile  ✔ Brazil SFE®´s Pinterest       ✔ Brazil SFE®´s Tweets

E Você, És Um Líder ?

Torne-se Um Líder Melhor


Como pensa? Somos mais influenciados pela natureza ou pela criação?
Aplicando a Liderança: As pessoas já nascem grandes líderes nascidos ou se fazem assim?
Esta é uma das perguntas feitas com mais frequência no desenvolvimento de lideranças.
A liderança é definida como trabalhar com e através dos outros para alcançar os objetivos. Dada a definição, qualquer pessoa em uma posição cuja realização requeira o apoio de outros pode desempenhar o papel de um Líder. Essa definição apoia a ideia de liderança em todos os níveis, tão importante no mundo de hoje para os trabalhadores do conhecimento.
De fato, milhões de pessoas que estão trabalhando, embora envolvidos em alcançar seus objetivos pessoais, são Líderes. Agora, fazê-lo pensarem em si mesmos como Líderes é uma outra questão.
Podem as pessoas que já trabalham para influenciar outros, tornarem-se líderes mais eficazes? A resposta é um incondicional "sim". O que segue, são cinco maneiras de se tornar um Líder melhor:
  1. Obter feedback de 360º no seu atual nível de efetividade, e ser avaliado por colegas de trabalho que respeita.
  2. Escolha os comportamentos mais importantes para a mudança. Aqueles que acredita, melhorarão a sua eficácia como Líder. Por exemplo: Tornar-se um ouvinte mais eficiente ou tomar decisões de maneira mais apropriada.
  3. Periodicamente pergunte aos colegas de trabalho sobre sugestões sobre como pode desenvolver um trabalho melhor naqueles comportamentos que selecionou previamente mudar.
  4. Ouça a sua promessa idéias-não para mudar tudo, e fazer as mudanças que você acredita que irá aumentar ainda mais a sua eficácia.
  5. Faça um follow-up, medindo quão apropriado está o seu nível de mudança ao longo do tempo.
As pessoas já nascem grandes líderes nascidos ou se fazem assim? Se você estiver trabalhando com e através de outros para atingir seus objetivos, você já é um líder. Você pode se tornar um líder mais eficaz? Definitivamente!

Ei! Envie seus comentários e sugestões. Compartilhe este artigo.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...