Views

Histats

Vitrine

Marketing Global e Marketing Diferenciado

Marketing Global e Marketing Diferenciado



A globalização é objeto de grandes transformações no mercado, principalmente com o aumento da tecnologia, que encurtou distâncias e facilitou a comunicação.

globalização tem intensificado a competição entre empresas. Organizações que operam apenas no ambiente doméstico têm se preocupado com concorrentes estrangeiros no mercado de atuação local. A melhor forma de competição entre empresas é a melhoria de seus produtos e a inserção no mercado internacional (Kotler, 1998).

O crescente número de países que estão buscando o livre mercado, a possibilidade de crescimento econômico de países em desenvolvimento, uma grande disputa entre empresas em busca de clientes e a tecnologia, eliminando as barreiras de comunicação, tornando a comunicação entre países mais viável e eficiente, são consequências de todas essas tendências trazidas pela globalização (Salim, 2001).

Uma empresa envolvida com marketing global trabalha seus recursos nas oportunidades e ameaças do mercado. A empresa que utiliza marketing global conduz importantes atividades de negócios fora do mercado doméstico, sendo relevante considerar a necessidade de obter informações, conceitos e estratégias específicas, que devam ser aplicadas de acordo com os fundamentos de marketing. Caso contrário, essa empresa estará sujeita à concorrência de empresas estrangeiras que possuem produtos melhores, custos menores e, consequentemente, mais experiência nos mercados internacionais competitivos (Keegan, 2005).

O gerenciamento do marketing global consiste na determinação das metas e objetivos globais da empresa, de forma a modelar a organização, para o alcance dessas metas e objetivos (Semenik, Makron, 1995).

Entender o mercado global é buscar entender o consumidor de diversos lugares e, desta forma, traçar a melhor estratégia com base neste comportamento. A estratégia de marketing global pode atingir uma ou mais das quatro categorias de benefícios potenciais de globalização, sendo essas categorias: redução de custos, eficácia na melhoria de produtos e programas, preferência apurada do consumidor e vantagem competitiva ampliada.

Redução dos custos
Em consequência de uma economia na força de trabalho e nos materiais, há uma possível redução dos custos. Quando as funções de marketing nacional estão consolidadas, evita-se uma duplicidade de atividades. Com isso, as despesas com pessoal são reduzidas. Com a disponibilidade de uma amplitude de cobertura global por várias formas de mídias de comunicação modernas, as campanhas multipaíses, focando as características comuns dos países, reduziriam, consideravelmente os custos envolvidos na propaganda global e nos materiais de promoção e embalagem.

O aumento da eficácia dos programas, possibilitando mais dinheiro e recursos a um menor número de atividades bem direcionadas, também seria uma possibilidade de redução dos custos (KotabeHelsen, 2000).

Eficácia na Melhoria de Produtos e Programas
Essa pode ser a maior vantagem da adoção de uma estratégia de marketing global. As diferentes demandas e as necessidades específicas de cada região fazem com que as organizações se esforcem na elaboração de bons produtos. Um programa de globalização que supera objeções locais, para expandir uma boa ideia de marketing, pode tornar-se mais eficaz quando mensurada mundialmente (KotabeHelsen, 2000).

Preferência Apurada do Consumidor
Uma grande divulgação do produto pelo mundo, em decorrência de uma grande estratégia de promoção, usando várias fontes de informação, promove o conhecimento e a lembrança de um produto pelo consumidor. A estratégia de marketing global pode desenvolver o reconhecimento do produto pelos clientes, aumentando a preferência do consumidor por meio do reforço. Ou seja, uma mensagem de marketing uniforme, comunicada por uma marca, embalagem ou propaganda, reforça a consciência, o conhecimento e as atitudes das pessoas em relação ao produto ou serviço (KotabeHelsen, 2000).

Vantagem Competitiva Ampliada
Ao focar os recursos em um menor número de programas, as estratégias globais ampliam seu poder competitivo. Embora os maiores concorrentes possam ter recursos para desenvolver programas diferentes, de alta qualidade, em cada país, isso não ocorre com as empresas menores. Portanto, a adoção de uma estratégia de marketing global focada pode permitir à pequena empresa competir com um grande concorrente de maneira mais eficaz. Entretanto, o benefício mais importante de uma estratégia global é o foco da organização inteira em uma única ideia, aumentando, assim, as chances de sucesso (Kotabe, Helsen2000).

A vantagem competitiva acontece quando é o consumidor quem enxerga o valor do produto, de acordo com sua necessidade. Ela pode ser alcançada quando a empresa consegue baixar seus custos e oferecer produtos com preços menores que o concorrente ou quando possui uma estratégia de diferenciação do produto, em que o elevado preço é justificado pelo fato de esse produto oferecer benefícios únicos. 










e-Book: DESMISTIFICANDO OS DOLs

Desmistificando os DOLs



Compre aqui na loja da Amazon ou solicite por e-mail através de depósito identificado.

Conheça demais títulos da ABPDLM®

A ampliação do acesso à informação sobre medicamentos e tratamentos através da internet, bem como o acesso as inormações sobre novas moléculas e estudos para um público leigo com maior identificação com as mídias sociais trouxe certa movimentação para o mercado farmacêutico.

As antigas métricas de identificação de influência perderam o seu alcance, que já não era tão eficaz. Estes aspectos todos, começaram a torná-los menos relevantes. 

NOVOS PERFIS 


Desde então os próprios médicos começaram a enxergar na mídia social uma forma de estender sua influência não só entre os seus pares locais, pois passariam a amplificar o seu poder de influência num âmbito global com outros médicos igualmente inovadores. 

Nesse momento temos outros grupos influentes surgindo no cenário: 

KOLS - Key Opinion Leaders 
DOLs - Digital Opinion Leaders 
DKOL - Digital Key Opinion Leaders 
POLs - Patient Opinion Leaders 

Conheça os capítulos do livro: 

01 - COMO SABER SE UM MÉDICO É UM KOL? 
02 - QUAL A RELEVÂNCIA DE MANTER PARCERIA COM OS KOLs? 
03 - O QUE LEVAR EM CONSIDERAÇÃO AO ESTABELECER PARCERIAS COM OS KOLs? 
04 - O IMPACTO DA MÍDIA SOCIAL 
05 - O IMPACTO DO ACESSO À INFORMAÇÃO 
06 - A DESINFORMAÇÃO PREOCUPA 
07 - QUEM SÃO ESTES DOLs? 
08 - QUEM SÃO ESTES POLs? 
09 - POR QUE OS DOLS FAZEM O QUE FAZEM? 
10 - QUANDO MÉDICOS VOLTAM-SE PARA A MÍDIA SOCIAL 
11 - DOLs - QUE MÉTRICAS UTILIZAR PARA IDENTIFICÁ-LOS? 


Se você gostou deste livro compartilhe-o com os seus amigos e deixe seus comentários...


Compre aqui na loja da Amazon ou solicite por e-mail através de depósito identificado.



Saiba mais:
















KOL Partnership - A Parceria entre os Líderes de Opinião e a Indústria Farmacêutica

KOL Partnership - A Parceria entre os Líderes de Opinião e a Indústria Farmacêutica



Todos acreditamos saber o que é uma Parceria KOL KOL Partnership - bem sucedida. Usamos estes termos quase todos os dias, propondo engajamento com os KOLs em nossos planos de marketing, tentando descobrir, por meio de nossas ferramentas analíticas, quais são os KOLs mais influentes. Utilizamos este acrônimo "KOL" assim como fazemos com outros termos empresariais, tais como KPI, ROI, B2B, R&D. Todo mundo fala sobre eles, mas a maioria sequer parou para pensar no que significam?



Se perguntar o que KOL significa, arrisco dizer que talvez metade das pessoas na sala onde trabalha possam lhe dar a resposta correta (é Key Opinion Leader). Mas caso deseje se aprofundar na definição, suspeito que será correspondido com um muro de silêncio, ou talvez alguém no canto gagueje "um médico ... alguém importante ... eles escrevem blogs ...". Neste ponto, provavelmente não iria sequer se preocupar em pedir ao grupo para arriscar um palpite quanto ao que significa uma Parceria KOL.

Para ser honesto, também não sabia o que de fato significa KOL Partnership se não houvesse pesquisado para escrever este breve artigo.

A abordagem da empresa num KOL Partnership é um tópico de grande discussão neste momento onde os grande laboratórios da indústria farmacêutica perceberam que suas abordagens atuais necessitam evoluir com a nova dinâmica requerida de marketing, no mercado da saúde.

O termo KOL parece ser tão abstrato e onipresente que nos esquecemos de que os líderes de opinião são pessoas com opiniões, redes e conhecimentos que devem ser tratados com respeito.

Então, quem ou o que são os KOLs?

Os KOLs são parceiros científicos, peritos e consultores que têm uma voz independentemente forte que ganharam reputação em seu campo científico. São um recurso importante para as empresas farmacêuticas, fornecendo conselhos e um entendimento sobre quais tratamentos e programas de apoio a maioria dos pacientes se beneficiam. Eles são uma parte integrante do ciclo de vida de qualquer produto, desde a Investigação e Desenvolvimento, além de ajudar em projetos relevantes baseados nos resultados de ensaios clínicos que aceleram a entrada de novos tratamentos no mercado. Também alinham programas de acesso ao mercado que ajudam as autoridades de saúde a compreenderem o valor que um tratamento proporciona a comunidade paciente.

Uma parte importante do desenvolvimento, são aqueles resultados, baseados em tratamentos relevantes, que os KOLs compartilham, fornecendo conselhos estratégicos e práticos.

Qual é a melhor maneira de manter boas relações com os KOLs?

Paradoxalmente, muitas vezes descobrimos que as abordagens atuais são as partes mais importantes numa estratégia KOL eficaz. Muitas empresas se concentram apenas em suas próprias metas de negócios e KPIs em vez de tomarem tempo para compreender as perspectivas reais dos KOLs. Às vezes as empresas se concentram na gestão do KOL e não na KOL Partnership. Distinguir entre ambos é altamente relevante.

Promover o diálogo científico para melhorar o atendimento ao paciente numa base de longo prazo é fundamental. Isto significa que precisamos identificar quais fatores podem ser motivadores para os médicos e o que estes esperam de uma parceria mutuamente benéfica e ética.

Então, o que motiva os KOLs a fazerem parcerias com a indústria farmacêutica?

Nada de outro mundo, apenas a dobradinha educação / formação: Sim, os KOLs estão se esforçando para seu crescimento e desenvolvimento. Querem ser educados no mais alto nível, ter acesso às informações mais atuais e estar à frente da curva em comparação com demais médicos em sua área de especialidade.

Desejam ter a oportunidade de estar envolvidos nos ensaios clínicos: KOLs são naturalmente curiosos em sua própria área de especialização e genuinamente desejam assumir responsabilidades nos ensaios clínicos. Também desejam ser reconhecidos por sua contribuição para a ciência e a medicina através de suas publicações.

Sendo respeitados como um parceiro valioso, os KOLs querem sentir-se valorizados pelas companhias da indústria farmacêutica, a qual precisa ter certeza de que está disponibilizando o pessoal adequado para fomentar suas interações com os KOLs, garantindo discussões científicas focadas, reuniões bem planejadas, e o reconhecimento de tempo dos KOLs. Suas opiniões e comentários (positivos e negativos) precisam fazer parte do diálogo constante. Mais importante ainda, as empresas farmacêuticas precisam fazer parcerias com os KOLs alcançados pelas recomendações peer-to-peer, as quais criam uma rede forte de KOLs, onde todos respeitam a hierarquia de academia.

Disponibilidade de patrocínios: Para os KOLs a investigação é sua vida e ter a oportunidade de trabalhar em laboratórios com os equipamentos mais recentes e modernos, e o patrocínio para os seus estudos, é um fator motivador chave. Também não se esqueça de respeitar e valorizar o tempo que estão ausentes do seu "trabalho real" de melhorar a saúde de pacientes, com compensações que sejam justas de acordo como o mercado.

Acesso a dados inéditos: Os KOLs também têm um forte desejo de progredir, porque quererem estar à frente em termos de novos dados clínicos e potenciais oportunidades de tratamento inovadoras. O que, por sua vez, leva ao reconhecimento dos seus pares.

Cada KOL tem interesses diferentes e desejam ser envolvidos de maneiras diferentes. Alguns são muito clínicos, outros mantém-se focados em pesquisa. Como tal, estes motivadores precisam ser avaliados e reavaliados em uma base regular para que cada KOL simplesmente seja consultado sobre suas expectativas e comentários, a fim de assegurem a construção de uma parceria ética de longo prazo para ambos os lados - KOL e empresa.


Saiba mais:









10 Detalhes Pessoais que Nunca se deve mencionar numa Entrevista de Trabalho - 03 - Problemas Legais

10 Detalhes Pessoais que Nunca se deve mencionar numa Entrevista de Trabalho - 03 - Problemas Legais



Problemas Legais

"Estou sendo processado por meu ex-cônjuge, ou ex-sócio, mas tenho certeza que vou prevalecer!"

Essa não é necessariamente uma declaração que inspirará confiança no entrevistador. Deixe a sua situação jurídica completamente fora da conversa da entrevista de emprego.

Não há nenhuma razão para trazer qualquer desconforto com a aplicação da lei ou qualquer outro tipo de dificuldade jurídica em uma entrevista de emprego.

10 Detalhes Pessoais que Nunca se deve mencionar numa Entrevista de Trabalho











Refletindo: 30 Motivos para Nunca Desistir

Refletindo: 30 Motivos para Nunca Desistir


Ou: Sim, a vida é dura...Prá quem é mole.

  • Todos somos seres maravilhosamente planejados para brilhar.
  • Ajude-se.
  • Uma vez por mês, beba a bebida que mais gosta.
  • Se precisar, peça ajuda.
  • Lembre-se dos amigos.
  • Veja um pôr do sol.
  • Pode acreditar, as oportunidades mais fantásticas surgem das situações mais inesperadas.
  • Agradeça a um dos seus professores.
  • Permita-se ser amado pelos seus próximos.
  • Quando estiver passando por muita pressão, tire 2 minutos para uma pausa, tome água, vá ao banheiro, e se sentirá muito aliviado.
  • Sinta medo, mas não seja paralisado por ele.
  • Independentemente da idade que tenha, você tem um cérebro incrível e apto para novos aprendizados.
  • Agradeça àqueles que contribuíram em sua vida profissional.
  • Não deixe de se amar.
  • Esteja aberto à novas experiências.
  • Valorize o cotidiano.
  • Ande descalço na grama.
  • Não busque somente a felicidade, mas a tranquilidade.
  • Não feche seus olhos para o fato de que coisas ruins acontecem, mas você não é culpado por 99,99999999999% delas.
  • Em qualquer situação que esteja não esqueça a lei maior: Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Independentemente de quem for este próximo.
  • Sorria para os amigos.
  • Todas as pessoas são exatamente como nós, umas com mais cabelos e outras com menos.
  • Não afaste aqueles que gostam de você.
  • Assista a um nascer do sol.
  • Deseje conhecer novos lugares.
  • Programe-se para ajudar alguém ou um grupo de pessoas. Mesmo que à distância ou indiretamente.
  • Ignore os invejosos.
  • Pare alguns minutos e escreva um e-mail de gratidão.
  • Quando uma nova oportunidade aparecer e você estiver com medo, aceite-a assim mesmo.
  • Não ignore o corriqueiro.
  • Mergulhe no mar.
  • Caminhe pela praia.
  • Coma a comida que mais gosta, pelo menos uma vez por mês.

Refletindo: 10 Dicas para Novos Gerentes da Força de Vendas

Refletindo: 10 Dicas para Novos Gerentes da Força de Vendas


Recentemente esteve envolvido num processo de seleção e ouviu a boa notícia "parabéns, você conseguiu o emprego"? 

Neste ponto, todos temos um sentimento de felicidade e entusiasmo!

Infelizmente para muitas pessoas a bolha estoura rapidamente, quando começa a perceber que não conhece tão bem o cenário onde foi envolvido e que agora precisa motivar pessoas seniores e juniores mantê-las felizes.

Então, como pode fazer desta transição, algo bem-sucedido?

1. 
Prontamente reconheça para si mesmo que há muito o que aprender e que isso é parte da transição.

2. 
Lembre-se de que aquele que te selecionou, viu em você as capacidades e competências necessárias e que esta pessoa manteve fé em você, assim mantenha a fé em si mesmo.

3. 
Trate a todos igualmente e não mostre quaisquer tendências com os seus amigos com quem fazia parte do time.

4. 
Ouça atentamente as pessoas nas sessões de feedback, peça-lhes que expressem livremente suas ideias e o que desejam e querem mudar. Tenha cuidado para não fazer promessas que não pode manter.

5.
Se precisar fazer alterações comece com algo pequeno, mas que seja importante para a equipe.

6.
Arranje tempo para as pessoas em sua equipe. Você é um gerente agora, então precisa ter tempo para gerir. Você não pode mais gastar 100% do seu tempo em tarefas.

7.
Tenha clareza sobre o que seu gerente espera de você.

8.
Saiba o que aqueles que você apoia na organização querem de você e sua equipe. Uma opção é fazer um levantamento.

9.
Comprometa-se com o seu próprio desenvolvimento pessoal para desenvolver suas habilidades e competências.

10.
Encontre alguém na organização para quem possa expor suas ideias, obtendo diferentes perspectivas sobre como estas podem ou não ser recebidas.




Série Refletindo: 
Envie seus comentários e sugestões e compartilhe este artigo!

brazilsalesforceeffectiveness@gmail.com

✔ Brazil SFE®✔ Brazil SFE®´s Facebook´s Profile  Google+   Author´s Professional Profile  ✔ Brazil SFE®´s Pinterest       ✔ Brazil SFE®´s Tweets
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...